Quando falamos em incidir por políticas públicas, logo se imagina reuniões, audiências públicas e protestos, certo? Ao mesmo tempo, ficamos naquele velho dilema do “por que as pessoas não participam?” Com essa pergunta em mente que é possível explorar novas formas de fazer e estimular políticas públicas, em especial para a bicicleta, que foi o que experimentamos no Bike Arte São Sebastião durante a edição local da Virada Sustentável.

O Bike Arte é realizado pelo Aromeiazero com o intuito de trazer a cultura da bicicleta e seus questionamentos sobre a mobilidade e ocupação das ruas nas cidades por meio de um festival. A edição de São Sebastião contou com Bike Café, exposição de quadros e posters de artistas relacionados à bicicleta, empréstimo de bicicletas infantis e manutenção gratuita de bicicleta.

Veja o álbum completo de fotos Bike Arte São Sebastião AQUI.


Bicicletas infantis para empréstimo durante o Bike Arte São Sebastião

E como fazer política para bicicleta em um festival com arte e música? A equipe da campanha Bicicleta nos Planos foi convidada pelo Aromeiazero e organizamos duas atividades baseadas em tecnologias sociais aprendidas com nossos parceiros locais:

1- Bike Blitz São Sebastião: O Bike Blitz é uma tecnologia social proposta pela Associação Ciclourbano, de Aracajau/SE, em que se faz uma pesquisa com ciclistas na rua para identificar seu perfil e os principais problemas em seus trajetos, ao mesmo tempo em que se faz manutenção de suas bicicletas como forma de contribuir e engajar ciclistas para seguirem pedalando. No Bike Arte São Sebastião foi realizado o Bike Blitz com as pessoas que vieram fazer manutenção gratuita em suas bicicletas. Em pouco mais de 1 hora conseguimos entrevistar 16 pessoas e alguns dos resultados podem ser vistos nas fotos e gráficos a seguir:


Ciclista respondendo pesquisa Bike Blitz São Sebastião durante manutenção de sua bicicleta

Confira os resultados da pesquisa Bike Blitz São Sebastião:

Fatos e dados interessantes do Bike Blitz São Sebastião:

  • Entre os entrevistados, seus domicílios têm mais bicicletas do que pessoas 
  • Quase metade dos entrevistados possuem carro
  • Muitos entrevistados usam a bicicleta para atravessar de São Sebastião para Ilha Bella diariamente, integrando a bicicleta com balsa, por ser gratuito e mais rápido que ir de carro
  • Foram coletados 13 pontos de conflito onde ciclistas consideram difícil pedalar e 15 pontos onde ciclistas consideram confortável e fácil pedalar

Como fazer uma pesquisa Bike Blitz:

  • Crie um formulário online baseado NESTE MODELO (adaptado do formulário fornecido pela Associação Ciclourbano) ou se não faça um formulário em papel.
  • Vá para um local de interesse onde passe ciclistas para poder entrevistar. Pode ser um cruzamento importante da cidade ou uma ciclovia movimentada.
  • Leve bomba de ar, ferramentas básicas de manutenção de bicicleta e se possível adesivos para deixar a marca de seu coletivo/grupo na bicicleta.
  • Tenha também panfletos para divulgar seu coletivo/grupo ou com dicas educativas para pedalar na cidade.

 

2- Oficina comunitária de sinalização de trânsito para ciclista: a segunda tecnologia social que testamos foi uma oficina comunitária para fazer placas e pinturas no trânsito que remetem a um maior respeito a ciclistas. Para isso criamos um estêncil de sinalização horizontal de uma “sharrow”, uma bicicleta com duas setas que orienta por onde ciclistas podem/devem pedalar, além de deixar motoristas mais atentos para a passagem e prioridade de ciclistas. Fizemos também outro estêncil para sinalização vertical em postes com a mensagem “Reduza a velocidade – pessoas (con)vivendo”. Confira algumas fotos do resultado:

Como fazer uma oficina de sinalização de trânsito para ciclista:

  • Busque modelos de estêncil na internet, como estes de “sharrows” em banners ou radiografias.
  • Desenhe e recorte os modelos de estêncil. Para quem não é habilidoso, uma forma fácil de desenhar é projetar a imagem do estêncil na parede (com um projetor), colar o banner na parede e fazer o contorno.
  • Utilize discos de vinil para fazer placas fáceis de pendurar em postes, como estas.
  • Utilize tinta vinil, de silk ou spray para ficar mais permanente e visível.
  • Caso for fazer diretamente em uma via, busque permissão da prefeitura ou faça uma pintura temporária para demonstrar como aquela rua ficaria melhor com a sinalização.
  • Se possível, colete dados após a sinalização para argumentar com a prefeitura e outros atores que a sinalização pode tornar o trânsito mais seguro e confortável para as pessoas.

 

Quer implementar uma dessas tecnologias sociais? Conte pra gente nos comentários e nos mande as fotos dos resultados.